Home Curriculo Contato Convênios Hospitais
Home
Curriculo
Contato
Convênios
Hospitais
Doenças
Dúvidas Comuns
Links Recomendados
A litíase urinária, mais conhecida como cálculo ou pedra, acomete 5% da população mundial. Afeta todas as idades, porém é mais comum dos 30 aos 50 anos e no sexo masculino.
Inúmeros fatores contribuem para o desenvolvimento da litíase como: clima, ocupação profissional, atividade física, hereditariedade e alimentação.
Pode ocorrer em qualquer parte do trato urinário como rins, ureter e bexiga. Geralmente causa dor e crises de cólica, mas pode estar associada a infecção urinária e até mesmo ser assintomática.
Existem vários tipos de cálculos, relacionados a diferentes doenças que devem ser investigadas para o melhor tratamento possível. A urina contém água, sais minerais que favorecem as pedras e substâncias que impedem a formação delas, como o citrato. Normalmente, tudo em proporção harmoniosa, evitando os cálculos. Ocorre a litíase quando há um desequilíbrio, seja pela diminuição da água, aumento dos sais minerais ou redução do citrato.
O tratamento da litíase evoluiu muito nos últimos anos. Existem diversos métodos terapêuticos além da cirurgia convencional, como a litotripsia extracorpórea por ondas de choque e procedimentos endoscópicos com uso de laser e outras fontes de energia.

Litotripsia Extracorpórea
Trata-se de um método não invasivo que utiliza ondas de choque ( nada a ver com Laser ) emitidas por um aparelho, para tentar a fragmentação do cálculo e permitir sua eliminação pelo organismo.
Método efetivo e seguro que deve ser acompanhado por criteriosa seleção e preparo do paciente, minimizando os riscos e aumentando a taxa de sucesso.
Realizado em caráter ambulatorial sem a necessidade de internação na maioria das vezes. Pode ser feito com analgesia e sedação para maior conforto e melhores resultados.
Preparo para Litotripsia Extracorpórea - LECO
Dúvidas e Orientações Pós LECO
Current Perspective on Adverse Effects

Litotripsia Ultrassonica
Método pouco invasivo, endoscópico, no qual podem ser tratados cálculos ureterais e vesicais por acesso retrógrado (uretral). Após realizar a fragmentação do cálculo com o laser, os mesmos são retirados por meio de sondas extratoras e pinças especiais. O tempo de internação geralmente não ultrapassa um dia.
Guideline on the Management of Ureteral Calculi

Nefrolitotripsia Percutânea
Indicada para cálculos renais geralmente maiores que dois centímetros, trata-se de uma cirurgia de grande porte, com internação ao redor de três dias. O acesso ocorre através de um orifício na pele da região lombar, por onde é introduzido o nefroscópio, um aparelho endoscópico acoplado a uma câmera.
Guideline on the Management of Staghorn Calculi

Todos esses procedimentos podem precisar de cateteres e sondas que auxiliam no método escolhido, aceleram a recuperação do paciente e diminuem possíveis complicações. O Duplo Jota é o mais comum e amplamente utilizado. Trata-se de um dreno totalmente interno que estende-se do rim até a bexiga. Geralmente permanece apenas uma semana sendo retirado em caráter ambulatorial ou no próprio consultório médico. Previne as possíveis cólicas trazendo conforto no pós-operatório, porém pode provocar uma sensação constante de repleção vesical (bexiga cheia), um discreto sangramento na urina durante sua presença e um possível incomodo lombar durante as micções.

Dúvidas Frequentes sobre o Duplo Jota
Home | Curriculo | Contato | Convênios | Hospitais
Site Map